A força da Ressurreição

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp

Neste mês celebramos a Páscoa, Festa da vida que venceu a morte. Jesus Cristo, morrendo, destruiu a morte; ressurgindo, deu-nos nova vida.

A ressurreição é o centro da nossa fé. É a primeira e a mais importante verdade que cremos e professamos, tanto que São Paulo chegou a destacar: “Mas se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação, e vã é também a vossa fé. ” (1Cor 15, 14). Pela Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo fomos redimidos e nos foi dada a vida eterna.

A ressurreição de Cristo é o maior acontecimento da história da humanidade. Trata-se de um fato único, apesar da Bíblia trazer relatos de pessoas que foram reanimadas, reavivadas e voltaram a vida normal que tinham, mas depois de um tempo morreram, como exemplos Lázaro e o filho da viúva de Naum.

Com Jesus não foi assim, como explica o grande teólogo Joseph Ratzinger – Papa Emerito Bento XVI, no segundo volume da obra “Jesus de Nazaré” ( Ed. Planeta):  “A ressurreição de Jesus foi a evasão para um gênero de vida totalmente novo, para uma vida já não sujeita à lei do morrer e do transformar-se, mas situada para além disso: uma vida que inaugurou uma nova dimensão de ser homem” (…) ”Jesus não voltou a uma vida normal deste mundo, como sucedera com Lázaro e os outros mortos ressuscitados por Ele. Ele saiu para uma vida diversa, nova: saiu para a vastidão de Deus e é a partir dela que se manifesta aos seus”.

 A Páscoa tem o sentido da renovação do renascimento. A força da Ressurreição é muito poderosa, tem que haver uma transformação em cada um de nós. A ressurreição de Cristo convida-nos a sermos novas criaturas, a passarmos da prostração para a atitude, do desânimo para a esperança, das trevas do pecado para a luz, pois, de fato, “se alguém está em Cristo, uma nova criatura é; as coisas velhas já passaram e eis que tudo se fez novo” (2Cor 5, 17).

Aos discípulos pede-se que sejam as testemunhas da ressurreição: verdadeiramente morto, verdadeiramente ressuscitado. Cristo foi macerado, como diz a Carta aos Hebreus, aprendeu das coisas que sofreu. Isto é, elevou ainda mais Sua obediência porque perseverou mesmo passando por muita dor. (cf. Hb 5,9). E, nós vamos desistir e recuar diante das tribulações?

O sepulcro vazio é a certeza da ressurreição, que significa também, que a morte, o medo, o sofrimento, deixam de ter poder sobre toda as pessoas de fé. Portanto, a obediência ao Pai vale a pena. São verdades que devem mudar nossas vidas.

Não renunciemos a nossa cruz, sigamos o exemplo de Nosso Senhor. A cruz não é algo penoso, é sinal de salvação. A tribulação é a oportunidade de obedecer a Deus e ressuscitar no dia final. A tristeza é momentânea o que nos sustenta é alegria. É exultar em Cristo Ressuscitado.  Quem ainda não O encontrou não tem sentido para viver.

A pessoa que se sente perdida e desolada precisa fazer a experiencia com o Senhor Ressuscitado. Na Pascoa é como se Cristo, sol nascente e luz sem ocaso nos disse-se: “se animem, se revigorem, se fortaleçam na minha Ressurreição”.

Conseguimos sentir o Ressuscitado quando, além de nos deixar conduzir pela Sua luz seguimos Suas pegadas acreditando naquilo pelo qual Ele morreu e Deus O ressuscitou. Coisas que estão totalmente a nosso alcance como o amor ao próximo, servir, fazer o bem, partilhar o pouco ou o muito que temos. Lembremos o que Ele mesmo nos diz: Nisto conhecerão que sois meus discípulos: se vos amarem uns aos outros (Jo 13, 35).

O conforto da ressurreição, especialmente nesse tempo de pandemia, é um estímulo, um alento e a verdade que sustenta nossa vida. Acreditem na força da ressurreição.

Feliz e abençoada Páscoa!

Sobre o Autor: Padre Reginaldo Manzotti

Você também pode gostar:

Busca

Instagram